Um Sumidouro Na Floresta

Episódio - 02

Capitulo I

O sol entrou abusado pela minha janela. Espreguicei-me longamente em seguida  pulei da cama porque me lembrei de que meu Tutor havia me convocado para o treino. E já se passava do alvorecer.
Me banhei rapidamente, comi um pêssego, coloquei um short colante e um top bem justo com o intuito de desferir golpes, calcei botas leves e prendi os cabelos com um rabo bem alto. Cheguei na porta e lá estava ele sentado no meu pomar com minha lira nas mãos a esperar-me. 
Ao caminhar para junto dele tive uma palpitação descomunal chegando a me assustar. Tudo isso apenas pela visão perfeita daquele Elfo no meu pomar.
Ele vestia calça e camisa soltas de algodão um manto jogado no ombro e a vasta cabeleira que me encantava descia como cascata enfeitando meu pomar.
( entre todas as outras coisas) chegando ao jardim, notei que havia sido replantado com muito esmero. Pensei em perguntar se foi ele, mas suas mãos estavam impecavelmente limpas. Então arrisquei uma exclamação para que ele mesmo me dissesse o que aconteceu ali.

- Oh! Tivemos um milagre por aqui! Bom dia Senhor Elessar! Tu es luz nesta manhã! 




= Agradeço pequena! Bom que voce crê em milagres! Um ponto para voce. Aqui está sua lira. Vá guarda-la e vamos.

- Vamos? Não iremos treinar?

Perguntei entrando para guardar a lira enquanto dizia apressada:

- Obrigada por guardar para mim!

Ele não me explicou o que acontecera no meu jardim, quem o replantou tão bonito e continuou.

= Ela está perfeita e afinada. Sobre o treino; é para ele que vos chamo.

- Não será aqui mesmo? Me vesti como se fosse! 

perguntei temendo que ele quisesse me levar por ai aos pinotes. Ele me ofereceu a mão e disse;

= Se voce se sente bem para mim está bom! Apenas abrace-me e deixe o resto comigo.

- Eu? Abraça-lo Senhor?

Perguntei isso e comecei a suar, sentia as gotas descendo da minha testa escorrendo pelo meu rosto, deixando gosto de sal em meus lábios. E ele calmamente diante de mim sorriu ao ver-me sem ação. Puxou-me pela mão colando meu corpo no dele e disse:

= suba em meus pés.

Claro que eu retruquei! Mesmo tremula naqueles braços fortes, que me segurava pela cintura. Eu disse aflita:

- Não posso Senhor! Vou machuca-lo

= Suba Sigel! Não sou de vidro! Só vou te transportar


Era uma ordem e eu cumpri. Ele pôs meus braços em torno do pescoço dele. (.Minha estatura é de 1.80 m. Mesmo assim ele continuava muito mais alto que eu). Subi em seus pés segurando em seu pescoço e sentido o aroma das lãs dele que me entorpeciam... Tinha um aroma doce indescritível... Ele disse:

= Segura firme e feche os olhos!

Eu atendi e tudo ficou mudo... Num silêncio incrível por alguns segundos como se eu tivesse sido apagada do mundo e de repente tudo voltou, Eu estava tonta, ele me segurou firme e disse:

= Respire devagar! Vou soltá-la aos poucos.

Meu cérebro gritou alto descaradamente:

- “Não! Fique assim, está tão boooom”...

Ele correu as mãos pelas minhas costas ternamente e disse:

= Mas precisamos treinar!

Sua voz soou rouca e eu o soltei rápido e com certeza muito corada, porque meu rosto queimava. Ele leu meus pensamentos abusados. Falei tentando disfarçar.

- Onde estamos?

= Na minha clareira! Aqui é onde eu venho me exercitar.

Olhei em volta, A clareira estava bem cuidada era um circulo de 30 mº de diâmetro mais ou menos, vários bonecos masculinos de madeira com alturas diversa fincados no chão dispersos pela clareira, para que corrêssemos por todos durante o treinamento. Indaguei se ele treinava com os bonecos, ele respondeu garboso:

= Não uso os equipamentos! Eu treino a minha mente aperfeiçoando meus poderes. Salvo durante em noites enluaradas; eu venho apreciar minha adorada Lua deste ponto. Mas vamos ao que interessa. Quero que voce me mostre seus golpes nestas amostras; irei observá-la.

Me preparei em posição de luta: a posição em que as mãos se encontram cerradas, em frente ao rosto, e os cotovelos alinhados, na frente do abdômen,  as pernas levemente flexionadas, ambos posicionados de forma a manter seu braço e perna mais fortes sempre atrás, com o objetivo de desferir golpes com mais força e comecei com os chutes, reproduzindo os mais diversos tipos de chutes que meus mestres me ensinaram no treinamento da guarda.
Em primeira demonstração usei os chutes frontais com a perna que estava à frente, geralmente usados para distanciar ou empurrar o oponente porém. Se bem aplicados, podem também causar dor; Depois com a perna que estava atrás, chutes aplicados com a intenção de atingir o adversário com maior agressividade; Em seguida os chutes laterais chutes que podemos usar para atingir tanto as pernas, como região abdominal e cabeça. É um chute muito potente, podendo levar o oponente a nocaute. Por fim demonstrei os chutes giratórios; chutes plicados após um giro de 360º e ao fim do giro o chute é desferido, sendo muito agressivo e bem mais comum de ser aplicado na região abdominal;

Quando meu pé atingiu a cabeça de uma das “amostras” ouvi um aplauso! Eu acertei o que seria um chute letal depois de ter tentado várias vezes sem sucesso. Orgulhosa de mim mesmo Ergui meu corpo e sorri cumprimentando meu Tutor
O Senhor Elessar me aplaudiu como um pai orgulhoso, mas notei que seus olhos em formato de folha me observavam de forma predatória me fazendo arrepender-me de ter vestido aquele short e top colado, mas estava muito calor.

= Parabéns Sigel! Não imaginava que voce fosse tão boa com as pernas. Gostei muito de voce ter se saído tão bem, não esperava por isso.

Comentou o Senhor Elessar parando ao meu lado de braços cruzados enquanto eu me esforçava para colocar minha respiração em ordem depois de ter dado tantas voltas em torno da clareira no treinamento. Contei a ele toda orgulhosa que eu tinha toda essa flexibilidade por ter treinamento de acrobacia com tecidos.

= Oh! Realmente esses exercícios te ajudaram muito Sigel!

Eu sorri com orgulho e o Senhor Elessar retribuiu de modo paternal me oferecendo um tecido que ele retirou do bolso, para eu enxugar o suor do rosto. Eu sequei o rosto como tecido macio e não consegui esconder o prazer em sentir o aroma gostoso do meu Tutor que ficou entranhado no tecido. Enquanto ele me observava falou como tendo uma ideia brilhante.

= Voce é uma lutadora bem melhor do que eu imaginava e como seu treinador; vejo que precisaremos ir um pouco mais longe. voce precisa aprender a reagir. Não somente a bater! Nesse ponto voce já está pronta.

Coloquei o tecido no cós do short e o olhei com curiosidade enquanto perguntava;

- Como assim?? Do que o Senhor está falando?

= Como eu lhe propus ontem, uma batalha corpo a corpo. Assim seu adversário não permanecerá parado como esses equipamentos de treinamento:

Disse ele apontando para os aparelhos em volta de nós.

= Dessa maneira voce terá que se defender também, pois os adversários estarão em movimento e contra-atacarão!

- Não ainda Senhor Elessar! Não me sinto pronta para um combate corpo a corpo!

= Sigel! Me parece que essa decisão quem toma é o mestre e não o discípulo!  Mas eu concordo com voce! Por esse motivo treinaremos hoje apenas os seus chutes em um alvo móvel.

 Sem mais argumentos eu perguntei pensativa:

 - Está bem Senhor!  Mas onde faremos esse treinamento? Trarás alunos para cá?

Eu disse mordendo o canto do lábio inferior e olhando de lado indecisa, mas ele respondeu seguro:

= Não Sigel! Seremos apenas nós dois! Prefiro que não  descubram sobre os seus poderes, sejam eles mentas ou materiais. A surpresa é um grande aliado em uma batalha

Eu arregalei meus olhos de Elfa ao ouvir a explicação do meu mestre e disse espantada!

- O quê?? Eu vou chutar o Senhor?

Me arrependi logo depois que perguntei isso, porque com certeza ele me derrubaria com um toque apenas! Afinal de contas foi escolhido como meu mestre e instrutor por ser um excelente guerreiro e lutador. Ele respondeu sorrindo tanto que provocou covinhas em volta de seus lábios.

= Ah não minha criança! Voce não irá me chutar, irá apenas tentar!

Ah! Ai ele mexeu com meus brios e eu fiquei louca para lhe dar um chute que fosse para me sentir uma vencedora. E ele falou para me provocar mais ainda:

= Como é Sigel Lorhir? Está pronta para me dar alguns chutes?

Novamente usou aquela forma brincalhona que me irritava e puxou a camisa jogando longe ficando com a maravilha de peitoral quase na minha cara.
Mas dessa vez desviei os olhos, eu sabia o que me causaria aquela maravilha que eu preferia que ele o deixasse escondido atrás da camisa de algodão. Mas ele estava decidido e me disse:

= Querida Sigel! Serei seu alvo móvel, e voce tentará reproduzir os movimentos que fizeste com os equipamentos.

Ele disse “tentar” Eu encarei aquele ser que sorria para mim, apoiando o corpo em uma perna só e me chamando com os dedos da mão esquerda. Eu disse num rompante de covardia:

- Ah para! Eu não vou conseguir porque o Senhor não é um alvo móvel é uma distração móvel.

Isso só fez o sorriso dele aumentar e os olhos fecharem com malícia quando disse gabando-se e movendo os bíceps:

= Isso é normal para mim! É inevitável! Mas pense bem em quem está distraindo quem aqui?

Corei novamente! Porque ele deveria estar falando das minhas roupas que mostrava meu corpo perfeito e meu abdome definido! Mas não adiantava me arrepender de ter usado agora. Eu não queria ficar para trás, então dei de ombros e falei:

- Voce tem seus truques e eu tenho os meus! Estamos quites!

Falei somente para ficarmos iguais, entretanto eu tinha certeza que nem havia comparação com a visão do corpo do belo Elfo que me deixava em ebulição libidinosa.
Tanto que até me assustei com a voz dele quando ele falou:

= Comece com os chutes mais baixos para não se cansar rápido, Eu sou mais alto que os equipamentos e voce precisará se esforçar muito mais.

Estranhamente eu achava que estávamos flertando ao invés de treinando. Para quebrar aquele clima falei intimidando:

- Pronto para sentir a potência do meu chute Senhor?

Coloquei-me na posição de luta enquanto meu mestre arrogante apenas sorria imóvel!

= Então me mostre do que a pequena Sigel é capaz!

Palavras provocativas que me fizeram investir com rapidez elevando meu chute até a altura da coxa de Elessar. Meu golpe foi bloqueado com facilidade. Em seguida ele começou a mover-se, seu corpo tinha um movimento tão majestoso que parecia um tigre. Girava em torno de mim, se aproximando e se afastando. O que me dava a impressão que estivesse me encurralando. Meu corpo estava tenso esperando o contra-ataque. Elessar mudava o sentido dos passos enquanto trocávamos olhares firmes e perceptivos. Quando me preparei para atacar novamente. Ouvimos um grito apavorante....

- SOCORROOOOOOOOOOOOOOOO!!!!


Capitulo II


Elessar parou o que estava fazendo e se pôs em posição de atenção absoluta, para descobrir pelo eco de onde vinha o grito. Descobriu! Olhou para mim e eu disse

- Vamos!

Ele saiu em disparada na direção que veio os grito,  eu o seguia acompanhando como podia os pulos e saltos que ele dava nas árvores, sobre os córregos etc... Eu não conhecia o caminho que seguíamos por isso não o perdia de vista. Até que... O chão sumiu embaixo de meus pés...

Eu cai em um sumidouro coberto por arbustos rolando pelas encostas, por pedras, por pontas de galhos. Uma queda de uma  altura de aproximadamente 15 metros, próximo a uma grande árvore. Elessar não me viu cair, estava na frente correndo para socorrer alguém, Com certeza quando deu pela minha ausência, não soube o que aconteceu, Talvez tenha pensado que me cansei e desisti. 
E eu naquele fosso da natureza não podia escalar de volta, não pelas dores no corpo devido as pancadas até chegar lá embaixo, mas por ser muito dramático subir pelas encostas devido ao risco de desabamento de terra sobre mim.
Onde eu cai era muito escuro e lamacento, de todas as maneiras que tentei escalar foi impossível.

 Quando criança eu aprendi a emitir um som longo e muito alto, saído direto da garganta que chamávamos de “canto da sereia” usávamos para nos situar nas batalhas. 
Usei para chamar a atenção de Elessar, mas com certeza nesse momento ele estaria socorrendo alguém e eu rezava para que ele tivesse conseguido ao invés de ter retornado para me procurar assim que notou que eu não estiva no encalço dele.
Porém, o meu "canto da sereia" chamou atenção de alguém que não fora Elessar. Eu não sabia se poderia me deixar ser vista, Fiquei em silêncio absoluto ao ouvir rumores. Pareciam mais grunhidos que vozes. Não sou medrosa, mas meus sentidos me avisaram que eu estava perigo. Mesmo eu estando em silêncio e controlando meus batimentos cardíacos, me encontraram...
Pelo menos foi o que pareceu no momento. Um dos seres ou animais. eu ainda não sabia ao certo grunhiu bem alto como que indicando a direção para os outros. Eu não tinha oque fazer a não ser me deixar capturar. Eu estava encurralada em um buraco pouco menor que dois metros de diâmetro que despencava a qualquer movimento. Me parecia que a única saída seria exatamente de onde vinham os grunhidos.
Estava muito escuro, comecei a apalpar para descobrir a entrada, eu teria que lutar com apenas uma faca que carrego na cintura, com o que quer que fosse meu oponente para salvar minha vida; A única saída seria encará-los de surpresa. Continuei apalpando e encontrei uma parede mole como um monte de lama. Eu enfiei o braço todo e não senti vácuo do outro lado, não desisti! Continuei me enfiando na lama, o ombro, metade do tronco, só poderia ser ali a entrada para não sei onde.
De repente ouvi alguém dizer em um idioma desconhecido, mas pude decifrar parcialmente, dizia.

- Mais um!! Farto banquete hoje!

Tremi! Imediatamente tentei sair da lama que me enfiei, mas foi tarde... Um puxão e uma pancada na cabeça. E eu estava do outro lado. Meus sentidos tentando me abandonar pela forte pancada.... Eu estava numa caverna com pouca luminosidade.
Diante de mim três espécimes atarracados com elmos, um deles possuía um tacape de pequeno porte com certeza foi ele que me golpeou. Meu último pensamento foi:

- Vou ser degustada... Elessar me salve... Antes de desfalecer ouvi um deles falar.

- isso não é domuzu....
.......


----------------------------------------------------------------------------
 LEIA ANTES DE USAR: A partir das Constituições de 1891, 1934, 1946, 1967 e da Emenda Constitucional de 1969, o direito autoral do conteúdo desse Blog é exclusivamente de Katia Kristina Piereth A Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98) protege as relações entre o criador e quem utiliza suas criações literárias.

Comentários

  1. Magnifica história estou desesperadamente ansioso pelo desfecho
    Please. Não vão comer ela não é??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsr acalme-se Justinni preciso do filing! Mas gostei da sua ansiedade! Isso prova que estou indo bem

      Excluir
    2. Que bom que seu "feeling" está em alta!!!

      Excluir
  2. Sigel para o jantar. Tem sobremesa, também?
    Está indo muito bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostaria que tivesse!! Mas a "sobremesa" é muito arriscada... BigDad

      Excluir

Postar um comentário

Seja bem vindo! Agradeço seu comentário ou crítica

Postagens mais visitadas deste blog

Uma Espada É Viva

O Coração da Floresta

Presente da Deusa Evelin