O Coração da Floresta

12º Episódio
Capitulo I 

Mesmo contrariada pela minha atuação nos treinamentos, o mundo não parou nem tampouco girava apenas em torno de mim.

Fomos todos até Nefah (o rio) para nos refrescarmos e refeitos voltar aos treinos, quando estávamos quase na clareira Elessar parou! Ficou totalmente imóvel com a mão estendida para trás, pedindo que parrássemos todos. Paramos e abaixamos entre os arbustos. Elessar foi abaixando devagar, sentiu o solo coma mão aberta (como se sentisse um coração) e disse com sinais:

Dois – vindo nesta direção – protejam Dseyvar e Sigel!

Elessar saiu arrastando-se lentamente como um camaleão entre os arbustos em seguida passou a se mover bem ligeiro e desapareceu. Sitaara e Emre ficaram de prontidão com armas em punho com o intuito de proteger a Dseyvar e a mim, mas nós também nos armamos e aguardamos com eles. 
Bem mais a frente Elessar deparou com um acampamento no seio da floresta negra. 
O acampamento estava num ponto não muito distante da cidade principal, porém afastado o suficiente da proteção dos Elfos guerreiros. 
Ele voltou alguns passos espreitando entre os arbustos. Eram dois Elfos que para  qualquer outro, iriam parecer dois inocentes Elfos de luz, mas não para Elessar! 
Ele percebeu que os Elfos estavam camuflados: 
Os dois  discutiam um meio de furtar o “coração da Floresta” 
(Um grande rubi azul o único no mundo! Esse rubi mantinha a floresta viva) Iriam furtar e levar para um espectro que havia raptado a família de um deles e somente os libertaria se levassem a ele o Rubi! 
Elessar sentiu a aura deles e percebeu que não havia maldade em seus corações, porém eles estavam dispostos a qualquer coisa pela sua família. Elessar esperou que estivessem bem perto um do outro e apareceu junto deles, os agarrou pelas vestes e os transportou até onde estavam seus amigos em prontidão. Passando o momento do susto os Elfos sabedores de que não poderiam ser descobertos ou não os deixariam cumprir o objetivo. Eles sacaram suas espadas de luz embainhadas em belas peças de couro e se puseram em posição de combate. Os amigos nem se mexeram! Os dois Elfos olharam-se e atacaram! O laser de suas espadas ricochetearam ferindo um deles no braço esquerdo. 
Estavam em um campo de força feito por Elessar. Depois de contar aos amigos o que ouviu Elessar prendeu os Elfos em uma árvore com os braços presos para trás e começou a interroga-los! Eles precisavam saber exatamente quem os havia enviado e se o “Coração da Floresta” Estava em perigo, mas os Elfos não respondiam nada, mantinham-se em verdadeiro silêncio. 
Uma: Porque se Elessar e os seus amigos descobrissem sobre tudo, não os deixariam cumprir o seu objetivo e sua família morreria. 
Outra: porque perceberam que Elessar não queria fazer mal a eles. 
Mas eles não contavam com a guerreira Sitaara que não está acostumada a ser clemente; Sem aviso prévio e com muita ferocidade Sitaara desfechou um murro na cara de um deles enquanto o outro apenas observava. O objetivo é que ele não suportasse que o parente fosse espancado e contasse tudo. Diante do espanto de Elessar Sitaara continuou a interrogar e a espancar (e olha que nem parecia uma fêmea). O que estava observando olhou para o céu e disse:

Turan querido está se aproximando às dezoito horas. 
O Elfo mal podia ouvir, tinha a cabeça explodindo com as pancadas de Sitaara. 
Elessar com um sinal desesperado pediu que ela parasse. 
Sitaara chegou bem junto de Elessar ficando na ponta dos pés e encostando a testa na de Elessar vociferou irada:

- Essa sua clemência não vai levar a nada! Então os solte e voltemos ao nosso objetivo que é salvar o filho de Barzud.

Dizendo isso virou as costas e se encaminhou para a clareira sendo seguida por mim que tentava sem sucesso ser ouvida pela minha irmã.

Nesse ínterim os Elfos perderam a camuflagem e diante de Elessar e dos seus amigos estavam dois Elfos de cabelos escuros, elegantes, altos, fortes e nobres nos seus belos trajes do Clã a que
 pertenciam. Elessar falou a eles.
= Senhores! Peço-vos desculpas pela agressividade da minha amiga! Ela é um soldado e não está acostumada a desobediência dos presos. Eu sei o que vocês estão fazendo em Uhat! Ouvi tudo que disseram! E posso lhes garantir, com toda segurança que não irão conseguir. O “Coração da Floresta” é protegido por magia muito poderosa! Além disso, aquele que tomar posse do rubi a força terá morte instantânea. O “Coração da Floresta” só pode ser tocado por quem ele decide! 
O rubi tem vida própria, então seu tempo foi gasto por nada, agora se nos ajudar a destruir quem está querendo nosso rubi, poderemos ajudá-los a recuperar sua família.

O Elfo que apanhou perguntou:

- Como sabes sobre minha família?

Elessar respondeu:

Porque sei tudo que acontece Sou Elendil Elessar!

Ao ouvir esse nome os Elfos mudaram suas maneiras de se comportar:

- Oh Senhor perdoe-nos! Nós estamos em desalinho emocional Meu nome é Luví! Turan é meu irmãos! Somos Elfos das terras longínquas de “Moosaladhar” 
Uma criatura soube que eramos os únicos que podíamos erguer a espada de Luz de “Vishsa” e raptou a esposa dele e suas duas crias. Para assim, nos obrigar a furtar o seu Rubi.
 Nossa família ficará nas mãos dele até levarmos até ele, esse rubi que nem sabemos onde se encontra. Nós deveríamos raptar Elfos de Uhat e fazê-los nos dizer onde está.  Essa criatura de que vos falo  surgiu diante de nossos olhos em Sigga nossa cidade, com a forma humana decadente e vimo-lo virar bicho fera, animal doentio e carmesim, cheio de dentes de aço e gorjeios sem fim. E decapitou alguns dos nossos sem piedade

Vimos o sacrilégio do sangue fervente esparramado em nossa terra sacra, que agora é a terra da carne viva e da carne morta. Depois de tudo o sol se escondeu envergonhado, e a lua despejou sua luz de augusta, coroando com prateado as cores carmim e quentes daquela selvageria perversa. 
A criatura levou a nossa família  e nos mandou atrás do Rubi. Temos até amanhã às dezoito horas, depois  nossa família será sacrificada como castigo pela nossa desobediência. 
Um mago do nosso Clã  nos camuflou para que pudéssemos agir, mas só funciona durante o dia. Nossa família está morta senhor!

Após dizer isso os dois Elfos puseram-se a chorar copiosamente! Elessar os soltou e deixou-os apenas sobre o campo de força. E disse a eles que ficariam ali até que eles trouxessem sua família de volta, mas precisariam de alguma pista para busca-los. Os Elfos disseram que não tinham ideias de onde estavam. Entretanto o bruxo disse que traria sua família assim que eles os chamassem dizendo que tinham o Rubi. Elessar perguntou:

= E como farão isso? O que usarão para chamar a criatura?

- Devemos levar o rubi até a fronteira para que ele possa ver do covil dele. Acho que na bola cristal.

Elessar sabe que teria que matar um amigo muito querido para dar o rubi a tal criatura. Então pediu aos Elfos que aguardasse até pela manhã que ele traria o rubi e levariam até a fronteira para que a criatura o visse. E assim fizeram.

Elessar e seus amigos foram até a taverna do Bardo, precisava perguntar a ele se tinha certeza que o “Coração da Floresta” estava seguro. O Bardo garantiu que estava. Então pela manhã ele foi até os dois Elfos que dormiam ainda na redoma de campo de força. Elessar levou algo grande envolto em uma pele de cervo, acordou-os deu algumas frutas para o desjejum e entregou a eles o pacote. Perguntaram se era o rubi. Elessar confirmou que sim. Perguntaram se Elessar não tinha medo de que a criatura pegasse de verdade o rubi e deixasse a sua floresta sem ele, podendo morrer toda vida existente nela.

Elessar perguntou a eles: Porque se incomodavam com isso agora se antes levariam sem pestanejar? Turan respondeu que fariam por sua família. Elessar disse a eles.

= Qual a diferença? Vocês ainda estarão fazendo por eles.

Os dois Elfos não souberam explicar o que fez a diferença se desde o começo ele sabiam que o rubi era a vida da floresta de Uhat.

Após fazerem a refeição foram até a fronteira para que a tal criatura os visse.
 Levaram Elessar e Dseyvar como reféns para que ficasse verdadeira a atuação deles. 
Instante depois surgiu ao lado deles uma criatura de uns dois metros de altura com a pele da cor de vômito e com manchas marrons purulentas e fétidas. Os Elfos se arrepiaram diante de criatura tão sinistra. Elessar e Dseyvar estavam amordaçados e com as mãos amarradas nas costas. A criatura tentou pegar o embrulho, mas Turan não permitiu e disse a ele:

- Não foi com voce que tratamos então me desculpe, mas não levaras o Rubi! Preciso dar ao senhor que pediu.

Ao ouvir isso a criatura rodou a massa estrela que trazia na cintura para acertar o insolente Turan, mas Dseyvar se jogou contra Turan evitando que ele levasse a pancada. A massa acertou as costas de Dseyvar fazendo a costela dele pular para fora da carne como uma seta. Na mesma hora Elessar soltou as mãos e com um movimento acertou uma grande bola de energia nos cornos do gigante fedorento fazendo-o despencar por terra. Amarraram ele na árvore para esperar que o verdadeiro “dono” do rubi viesse reavê-lo. 

E não demorou muito uma criatura vestida de negro e encapuzada veio pegar o rubi. Tomou das mãos de Turan que perguntou sobre a família dele. A criatura não respondeu virou para o gigante amarrado na árvore e o atingiu no peito com um raio asqueroso e cheirando a enxofre que saiu de seu cajado torto. Fulminando o gigante na hora e desapareceu numa nuvem escura de fumaça.

Turan e o irmão caíram de joelhos chorando desesperados porque ficaram sem o rubi e sem a família. Elessar que estava curando Dseyvar que sentia dores fortes nas costas pela a força que o gigante usou contra ele. Pediu que eles que se acalmassem para que ele pudesse se concentrar.

Turan sentia a cabeça latejar e suas forças o abandonarem ao pensar que a criatura mataria sua família. Mas calou-se e foi tentar ajudar Elessar que já havia colocado a costela no lugar e estava finalizando. Quando terminou o que estava fazendo, Elessar disse aos Elfos.

= A criatura foi seguida! Logo terei noticia. Voce cuida do meu amigo que trarei sua família como prometi.

Capitulo II

Enquanto isso!

 Sitaara e eu que seguimos a criatura pegando carona na magia deles chegamos ao covil e nos escondemos. Ficamos observando o que ele faria. Ele retirou o rubi do invólucro  olhando-o com os olhos faiscando de admiração e disse com sua voz nojenta parecendo engasgado:

- Agora eu serei o feiticeiro da profecia. Aatank está quase morto se ele não retirar a alma do tal filho de Aodh a tempo ele vai terminar seus dias como um monte de cinzas!  E Eu hahahahah ! Com a ajuda do “coração da floresta”  serei o novo mestre de todos os feiticeiros.

Ouvindo aquilo eu me arrisquei saindo do esconderijo mesmo Sitaara sendo contra para tentar pegar o cajado dele e destruir. Para minha surpresa a estátua que estava ao nosso lado ganhou vida e nos atacou!

Sitaara fez um movimento rápido e aplicou uma voadora com os dois pés no peito da estátua viva, eu dei um impulso executando um mortal pra trás atingindo um chute no queixo do mesmo no processo derrubando-o prontamente. O feiticeiro ouviu o barulho, virou para trás! Nós duas corremos e entramos em uma sala onde havia uma fêmea Elfa de longos cabelos negros e duas crias em uma gaiola pendurada no teto. As crias dormiam, pedimos a Elfa que ficasse calada que iriamos salva-las. 

O feiticeiro chegou ate na porta da sala olhou em volta, olhou para gaiola a Elfa continuava sentada e abraçada as suas crias. O feiticeiro chamou alguém. Pensamos lá vamos nós lutarmos outra vez... Mas estávamos enganadas... Apareceu uma criatura sobrenatural na nossa frente... Ela era feita de várias partes de animais e tinha a cabeça cheia de cobras como a medusa. Nesse momento Elessar nos transportou! Teria sido nosso fim.

Voltamos para floresta com os olhos ainda estatelados de pavor. Quando nos acalmamos contamos a Elessar sobre o que descobrimos. Elessar ficou boquiaberto! Tudo estava ligado

Ele perguntou se a gaiola era fechada por mágica. Nós não tivemos tempo de descobrir. Então ele resolveu arriscar. Fomos os três novamente salvar a família de Turan. Quando chegamos na sala havia um lacaio que tentava tirar a cria da Elfa, ela  lutava com todas as suas possibilidades enquanto segurava a outra cria nos braços. Elessar me levitou até a gaiola e eu peguei o crápula numa gravata e apertei, mesmo assim ele não largava a cria que a qualquer momento poderia ser dividida em duas partes ao ser puxada por ele e a mãe. 

 Sem ter tempo de pensar Sitaara pegou o braço do lacaio e virou apoiando esticado com o cotovelo pra baixo sobre a barriga dela, eu continuei com ele preso na gravata e ele segurando a cria pelo pescoço, Sitaara ergueu o tronco ao mesmo tempo em que dobrava o braço dele na direção contraria. Ele soltou a cria enquanto tentava desesperado se soltar de nós se contorcendo a medida que o cotovelo dele estalava e devagar cedia em pequenos trancos,   Ele não tinha como gritar pela gravata que eu o mantinha. Elessar pegou a família e transportou! 

Eu asfixiei o lacaio porque ele relaxou quando sentiu os ossos sendo estraçalhados por Sitaara. Conseguimos fazer tudo em silêncio. Elessar deixou a família e voltou para nos buscar.... Na hora em que ouvimos um o grito escancarado do feiticeiro no mesmo momento em que ele se arrastava pelo chão áspero da caverna por baixo duma cortina de fumaça que se espalhava.

Voltamos todos para floresta onde Turan comemorava feliz com sua família. O irmão de Turan que atendia pelo nome Luvì estava cuidando do Elfo Dseyvar que acabava de acordar e perguntou aflito:

- Turan o gigante conseguiu te ferir amigo?

Todos nós rimos porque Dseyvar havia perdido toda “festa”.

Turan perguntou a Elessar se ele havia salvado o “Coração da Floresta” antes da explosão na caverna do feiticeiro. Elessar respondeu que o Rubi nunca saiu de Uhat que aquilo tinha sido um engodo preparado por seu grande amigo bardo.

Fomos para clareira continuar os treinamentos enquanto Elessar levou os Elfos até seu mundo.
 Afinal de contas O filho de Barzud ainda estava nas mãos de Aatank......

----------------------------------------------------------------------------

LEIA ANTES DE USAR: A partir das Constituições de 1891, 1934, 1946, 1967 e da Emenda Constitucional de 1969, o direito autoral do conteúdo desse Blog é exclusivamente de Katia Kristina Piereth A Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98) protege as relações entre o criador e quem utiliza suas criações literárias.

Comentários

  1. Pancadaria, feras místicas e magos negros.. muito bom 👏👏

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem vindo! Agradeço seu comentário ou crítica

Postagens mais visitadas deste blog

Uma Espada É Viva

Presente da Deusa Evelin