A Quimera

11º Episódio


INTRODUÃO

Os Elfos claros ou Elfos de luz como é a raça de nosso querido amigo Elessar e do Rei Barzud ancestral de Dseyvar são mesmo muito belos! Eles exercem total encanto e sedução, que é muito difícil não ficar plenamente encantado por eles. São mesmo muito sedutores além de possuírem grande afeição e carinho por suas fêmeas.
Suas indumentárias não guardam qualquer semelhança com a vestimenta humana. A diferença de Dseyvar entre Elessar e seu avô era a de não possuir a raça pura. Ele trouxe com seu nascimento os traços da raça humana e dos Deuses no seu modo de agir, e na maneira de demonstrar os sentimentos.
  Mas na personalidade e no seu porte trouxe as características dos Elfos.

Por isso não existia motivo algum para que ele se sentisse diminuído na presença do semideus Emre. Mesmo antes de saber que a Elfa encantada não era sua amiga Sigel e sim a irmã dela.
 Dseyvar cresceu entre os machos do palácio de “Suryanna” os contatos com fêmeas eram apenas para fins sociais e de educação, não teve o carinho gostoso que as mães têm com suas crias. Talvez por esse motivo ele queira tanto falar com Kalissia a sua mãe;

Mesmo sendo "meio elfo" Dseyvar é um grande ser! Honra seus afazeres sejam eles quais forem. Está sempre pronto a ajudar um amigo ou até mesmo a um desconhecido.
Por esse e outros motivos, Emre gostou muito do seu novo amigo ciumento!


Capitulo I

A Quimera
***

Naquela noite depois de tudo explicado os amigos  se confraternizaram juntos à fogueira cantando suas canções maravilhosas! 
Menos Dseyvar que disse não saber cantar... Um Elfo que não sabe cantar? Está pra nascer!
De repente Elessar pediu silêncio! Ele tem a audição privilegiada e sentiu a ameaça.

Todos fizeram silêncio absoluto, só se ouvia o crepitar da fogueira, 
A um sinal de Elessar apagaram a fogueira bem rápido e ficaram a espreita. Elessar nunca se engana, mesmo depois de várias canecas de Hidromel.
O grande Elfo levantou-se e observou cauteloso usando seu sexto sentido.
E disse usando sinal das mãos para aguardarem imóveis, porque ele pressentiu uma quimera.
Olharam-se em silêncio, mas com olhares interrogativos.

= Uma quimera no reino de Uhat?
Todos se armaram esperando o ataque. Eles são guerreiros e estão sempre á posto para qualquer eventualidade. Bem cautelosos começaram a se dispersar e procurar pelos arredores, eles sabiam que uma quimera não entraria “sem motivos” em Uhat! Os Elfos deste reino são conhecidos e respeitados. Elessar farejou o ar e em seguida fez um sinal para que todos se abaixassem e ficassem em silêncio e disse, na linguagem das mãos usada pelo exército.

= “ Temos presença - Duas pessoas – macho e fêmea – Humanos – muito assustados – cubram-me! Vou até lá”.

Elessar pediu aos guerreiros que ficassem atentos sobre a quimera e foi até o casal correndo silencioso por entre as árvores, vez por outra eles viam o pratear de suas lãs brancas serem clareadas pela luz da lua.
Elessar foi esgueirando-se com seu arco mágico em punho, ele não pretendia ferir os humanos apenas não podia ser pego desprevenido. Olhando ao longe, na escuridão Elessar identificou um humano empunhando um florete para proteger uma fêmea que estava apavorada! Os dois iam em direção à cidade de Lat. Quando chegou mais perto ele reconheceu o casal: Eram ciganos do grupo que está acampado na fronteira de Lat e Uhat.

Pensando em o que o casal estaria fazendo ali Elessar ficou ainda mais cauteloso, se ele fizesse algum movimento brusco o casal poderia se assustar e chamariam a atenção da quimera. Para que isso não acontecesse Elessar enviou uma mensagem telepática para acalmá-los dizendo que não fizesse nenhum movimento, que esperasse parados e em silêncio, que ele estava bem próximo e iria se identificar
Assim que a fêmea avistou Elessar se atirou nos braços dele em prantos. Ele a enlaçou pela cintura afagou a cabeça dela encostada a seu peito para harmonizar o chrakra coronário elevando-a do chão e  disse:

= Calma! Shiu! O que houve? O que fazem aqui? Temos uma quimera em Uhat.

A fêmea se aclamou foi para trás do macho que a acompanhava e disse:

- Bons ventos o tragam senhor Elessar meu nome é Mah e ele é meu consorte Magno! Somos ciganos do povo de “Baladrino” estamos acampados em suas terras Magno vai te contar o ocorrido. 

O cigano contou:

- Bem vindo Senhor Elfo! Estávamos comemorando o dia de São Thomaz com uma festa no acampamento em companhia de muitos Elfos e Elfas. Quando adentrou uma fera horrível sem que nós víssemos de onde, trazendo em seu dorso um ser encapuzado com a voz abafada destruindo tudo. E perguntou;
- Quem de voces Elfos é o filho de Ahod? Apresente-se agora ou destruirei tudo!

Nós dissemos que não conhecíamos o filho deste senhor. Então a fera começou a incendiar tudo no acampamento, os Elfos tentaram destruí-lo, mas não eram páreos para a criatura, eram todos jovens e aprendizes. O povo cigano teve muitas baixas porque somos apenas humanos e não possuímos poderes. Estávamos todos sendo destruídos quando nosso novo amigo o Senhor “Ajeb Dil” apareceu de repente e disse:

- Eu sou o descendente de Aodh o que quer de mim criatura?

- Levar você ao meu senhor se for realmente voce quem eu procuro! - Disse a criatura encapuzada

O senhor Ajeb olhou para todo estrago que a criatura havia feito, com nosso acampamento e vendo nosso povo desesperado ele disse com lágrimas nos olhos;

- Tudo bem eu vou com você!

A criatura o mandou virar de costas e com a ponta da lança rasgou as veste dele junto a omoplata deixando a mostra uma marca de um  "falcão dentro de uma estrela feita a ferro quente". A criatura disse:

- Em fim te encontro elfo de “Suryanna”

Ajeb perguntou:

- Quem é seu senhor? Por que ele me quer?

- Para se findar a profecia. Meu senhor é o grande mestre Aatank

Dizendo isso a criatura encapuzou Ajeb jogou-o no dorso da quimera e partiram.

Aquela quimera é muito perigosa! Matou muitos ciganos e deixou alguns muito feridos, ela tem a Cabeça de dragão, corpo de leão, patas como as das harpias e uma calda de escorpião. Senhor Ajeb está nas mãos deles Não sabemos que profecia é essa! Estávamos indo a Lat pedir ajuda de Kaya e Ka-hala para descobrir e depois tentar encontra-lo.

Elessar falou com veemência;

= Vocês não podem! Esse Aatank é um bruxo muito poderoso e demoníaco! Como está o acampamento?
O cigano Magno respondeu triste:

Está quase todo destruído senhor Elfo! Os Ciganos que restaram de pé estão cuidando dos feridos como podem!

Elessar mandou ajuda ao acampamento e depois foi a procura dos amigos. O cigano Magno disse que o acompanharia no salvamento de Ajeb porque eram amigos. Mas Elessar é sábio e conhecedor de magia, disse a Magno que ele não fosse ou morreria logo e ele precisava cuidar de seu povo.
Magno voltou ao acampamento com alguns Elfos para ajudar na recuperação do povo e do acampamento.


Capitulo II

Elessar encontrou seus amigos que estavam procurando pela quimera e contou a eles o acontecido. Ao ouvir o nome “Ajeb Dil” Dseyvar caiu de joelhos chorando desesperado dizendo:

- Querida Deusa Elentári! Por favor, salve-o! Eu sou o culpado por ele ser pego. Eu deveria te destruído esse bruxo antes que ele fizesse isso.

Elessar o levantou e disse :

= Acalme-se Dseyvar! Voce não tem culpa alguma disso! O Elfo se entregou por que tem um belo coração e fez para proteger o povo Cigano.

- Não Elessar! Ajeb Dil O nome dele traduz em (Estranho Coração) ele é o irmão mais jovem de Layudah! Filho de Barzud. Ele fez para proteger-me.

Dseyvar tirou a camisa e mostrou seu brasão Elfico na omoplata esquerda; um "falcão dentro de uma estrela feita a ferro quente". E disse:

- Todos os machos da linhagem de Barzud possuem essa marca. Preciso salvar Ajeb!

Emre segurou Dseyvar e disse a ele:

- Não Elfo! Voce não vai assim!
Precisamos ter um plano bem feito. Aatank é um feiticeiro que tem domínio sobre quimeras! Na sua caverna ele é poderoso e nem mesmo um Deus como eu seria capaz de derrota-lo com todos os meus poderes, porque não somos imunes a feitiços. Ultimamente ele não sai de sua caverna, vive na escuridão onde é muito poderoso. Temos que descobrir qual é a profecia. Para sabermos como derrota-lo.

- Voce também irá?  Perguntou Dseyvar

- Com certeza Elfo! Ficamos amigos ou não??

Respondeu convicto o Semideus Emre! 
Dseyvar abaixando a cabeça respondeu que sim . As irmãs disseram que também iriam!
Emre falou:

- Agora mais do que nunca precisaremos ir até Kalissia! Ela já deve ter sonhado e poderá nos dizer do que se trata a tal profecia. Kalissia fica ligada a mim e sabe tudo que acontece ao meu redor, porque quando eu saio de “Notorian” saio sem poderes e posso correr perigo.

= Não podemos envolvê-los nessa história Emre! “Notorian” correria perigo!

- Elendil não esqueça que estamos falando da mãe de Dseyvar. Estamos todos envolvidos meu amigo.

Sitaara se pronunciou como a guerreira que é :

- Queridos! Todos nós precisamos estar aptos a usarmos armas. Não estaremos aqui fora e sim na caverna de Antank e com certeza ele não permitirá que tenhamos poderes mágicos Elementais dentro de seu covil. Proponho a Sigel que use espadas. Quais as armas todos voces usam com precisão

- Espadas e arco! – respondeu o jovem  Elfo orgulhoso!

- Sou muito bom com a lança – disse Emre

- Eu com armas brancas em geral - disse Sitaara

- Sou boa com espada quando estou usando “Thunder” , mas sem poder usar meus poderes como voce acaba de dizer Sitaara vou precisar de treinamento rápido com alguns movimentos básicos só para ter certeza, - Eu disse :

= Bem vamos todos para Clareira! E em seguida para “Notorian” Falou Elessar.

 E voce Elessar?

Perguntou Sitaara, porque ele não havia dito qual arma ele usaria Elendil respondeu senhor de si.

= Sou Luz. Serei o escudo.

Não entenderam o que ele disse com isso, mas Elessar era um grande senhor dos exércitos élficos e um líder. Sabia o que estava fazendo.

Fomos todos para clareira! Elessar me pediu que mostrasse o que eu sabia fazer com um espada, usando os equipamentos da clareira.  Depois com uma mudança de planos  me chamou para treinar com adagas primeiramente. Ele disse que são armas perfeitas para quando eu precisar ferir gravemente alguém ou tão somente para ferir superficialmente.

Treinei com os equipamentos de madeira com diversos ataques que me foram indicado por Elessar deixando marcas nas amostras para que eu usasse como ponto de referência. Deixei muitos buracos na madeira onde a lâmina afiada tocava. Em seguida Elessar me mandou lançar as adagas de longe. Elas deveriam acertar os pontos demarcados em cada parte do corpo nos alvos.
Quando acertei o alvo na cabeça com uma das adagas provocando um som alto Elessar me mandou parar. E disse:

= Voce está se tornando letal Sigel! 
Vamos ver o que faz com um grau maior de dificuldade: 

E puxou uma alavanca! Os alvos começaram a mover-se em uma carretilha e trilhos. Elessar me mandou acertar os alvos em movimento nos mesmos locais que acertei antes. 
As pobres árvores com certeza me odeiam até hoje, pois elas receberam a maioria dos meus golpes quando atirei as adagas. Até que finalmente os equipamentos ganharam muitos buracos na cabeça e no peito, o que me deixou tão orgulhosa que girei a adaga na mão convencida! 
Nossos amigos balançaram a cabeça negativamente! Sitaara Chutou uma pedra. 
Percebi com aquilo, que eu havia pecado ao me convencer daquela forma..

Elessar parou diante de mim tirou a camisa daquele jeitinho que me derretia toda, Mas dessa vez não olhei seu abdômen bonito, meus olhos se fixaram em um colar que ele ostentava sobre o peito: Tinha um tigre de prata com olhos azuis feitos por gemas que hipnotizavam... Ele disse:

- Vamos para o combate corpo a corpo?

Eu perguntei num rompante de idiotice:

- Aqui diante de todos?

E ouvi a resposta mais óbvia que ele poderia me dar...

= Qual a diferença de estarmos a sós ou com espectadores? Ou voce não está pronta para lutar “Raposa”?

Ele falou brincando com as pontas das minhas lãs me fazendo parecer uma cria diante de todos.

 Sitaara enviava instruções para mim que eu tentava acompanhar. Ela disse por último:

- Tenta imobilizar Elessar por dez segundos;

Começamos a nos movimentar; Eu estava acostumada a lutar nas guerras, mas era vida ou morte! E eu sempre procurava ficar viva.

Naquele momento eu estava ansiosa pelo primeiro movimento do meu mestre, mas ele como sempre me observava como um predador observa a sua presa. Cerrei os punhos e me joguei sobre ele tomando impulso na perna direita e apoiando o peso do corpo com a esquerda, para qualquer eventualidade que eu precisasse usar uma rasteira ou chute.

Elessar bloqueou meu soco com facilidade usando o braço e devolveu o ataque me acertando no abdome com a mão aberta e sem colocar muita força para não me machucar, enquanto eu usava toda força que eu possuía.

Girei o corpo para acertar um chute nos rins, assim o deixaria mais lento... Ele segurou minha perna subindo as mãos até minha coxa e me derrubou de costas tirando todo ar que havia em meus pulmões. Elessar ficou sobre mim. Olhei para Sitaara esperando ajuda ela me lançou um sorriso malicioso ao ver-me embaixo daquele belo Elfo.

Nisso o colar dele pendeu entre nós, eu aproveitei e o puxei pelo colar, trazendo o rosto dele bem perto do meu fazendo ele fechar os olhos, não sei se com a proximidade ou por medo que eu rebentasse o colar.
 Nesse momento usei meu braço como alavanca, prendi minha perna em seu quadril e dei um giro rápido colocando ele de costas e sentei sobre ele, prendendo um dos braços dele contra a nuca.

Ouvi a risada gostosa de Sitaara enquanto Elessar forçava o rosto para me olhar e falou:

= Que isso raposa! Voce trapaceou!

Eu abaixei perto do ouvido dele e disse:

- O que conta é que deu certo “bilauta” Eu estava alegre com meu feito.

Aviam passado apenas três ou quatro segundo, mas eu estava exultante por ter imobilizado meu mestre. Quando eu contei oito segundos mais ou menos... Elessar reagiu fazendo meu corpo girar. Eu  estava envolvendo o corpo dele com as pernas e acabei ficando presa nesse golpe... Com o tronco de Elessar sobre minhas pernas dobradas contra meu peito. Ele passou os braços fechando-os em torno da minha nuca fazendo-me gritar e disse:

Se voce sair dessa “Raposa” Eu aceito o golpe anterior como vencido por ti:

Eu estava sem ar... Meu peito doía... Minha respiração parecia um ronco de leão... Passando com dificuldade pelas vias respiratórias... Calculei o que eu poderia fazer para me livrar:

Se fosse um inimigo eu só teria que bater na cabeça dele para ele soltar o peso sobre minhas pernas... Mas eu não tive coragem de fazer isso com Elessar.

Então aflorei minhas garras coloquei as mãos sobre os músculos das costas dele disfarçando que fosse um apoio. Sitaara vibrou e eu cravei minhas as garras bem fundo fazendo Elessar arrepiar-se totalmente... E senti um objeto tomar volume entre nós...

Eu sorri e arranhei de novo... Ele sabendo que era trapaça ficou ofegante, mas não me soltou. 
Pensei em um estrangulamento, mas eu era muito fraca para esse golpe. Então me lembrei das minhas aulas de flexibilidade e tive uma ideia: relaxei o corpo e coloquei as mãos no chão deixando todos surpresos. Com a surpresa de Elessar forcei as pernas de súbito até que estivessem soltas da chave dele e rolei rápido enquanto ele pensou que eu fosse dar outro golpe.

Parei a alguns passos de Elessar voltando a posição de ataque! Sitaara me parabenizou:

- Muito bem Sigel!

Eu não dei muito a importância e continuei encarando Elessar que estava estudando meus movimentos com a cabeça tombada, a sobrancelha esquerda suspensa e um sorrisinho matreiro de lado. Sentindo a adrenalina pulsante avancei novamente contra ele. Mas meu  mestre ágil, com um movimento tão rápido que nem entendi como foi, me envolveu pela cintura e lá estava eu no chão novamente. Elessar imobilizou minhas pernas com as coxas fortes e torneadas dele e prendeu minhas mãos acima da minha cabeça...

Eu rosnava, me contorcia, remexia meu corpo tentando me soltar... Mas ele me manteve imóvel até que Sitaara anunciou:

- Dez segundos!

Elessar abaixou até meu rosto beijou o canto da minha boca e perguntou de forma provocativa e sem me soltar:

= Quem ganhou “Raposa”?

Eu senti o abdômen dele nu roçando sobre minha barriga nua, porque eu estava de top. Então me apressei a responder antes que eu “Emanasse” ali diante de todos. Bufando ainda eu disse:

- Claro que foi o senhor Elessar!

E soltei-me rolando para fora do corpo dele frustrada me levantei.
 Mesmo sendo parabenizada pelos outros. Eu não me convenci. Tudo bem eu sei que era o grande Elessar! Mas eu sou um soldado do Rei. E depois de quase um mês de treinamento eu havia imobilizado Elessar apenas duas vezes e nem havia chegado aos dez segundos.

Sitaara falou:

Agora combate corpo a corpo com armas.... Vamos nos refrescar e voltaremos

Eu retruquei aborrecida:

- Enquanto isso o Bruxo mata o filho de Barzud???
.....
----------------------------------------------------------------------------

LEIA ANTES DE USAR: A partir das Constituições de 1891, 1934, 1946, 1967 e da Emenda Constitucional de 1969, o direito autoral do conteúdo desse Blog é exclusivamente de Katia Kristina Piereth A Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98) protege as relações entre o criador e quem utiliza suas criações literárias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma Espada É Viva

O Coração da Floresta

Visão Fantástica